01/09/2020

Em resposta à proposta de redução do auxílio emergencial anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (1º), o PSB defende a manutenção do atual valor de R$ 600.

O valor do benefício, criado em abril para ajudar os trabalhadores informais que perderam renda por causa da pandemia do novo coronavírus, será cortado pela metade pelos próximos quatro meses, segundo Bolsonaro informou após reunião com ministros e parlamentares aliados no Palácio da Alvorada.

O líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon, reagiu contra o corte, afirmando que os R$ 600 são o mínimo necessário para se oferecer à população enquanto o Brasil estiver enfrentando a pandemia.

“É impensável que se reduza o valor do auxílio antes do fim da pandemia. O Brasil só não mergulhou numa crise econômica e humanitária ainda mais profunda porque o Congresso aprovou R$ 600, à revelia de Bolsonaro, que queria R$ 200. A oposição está consciente disto e por isso insistirá em manter o valor do auxílio em R$ 600. Esse dinheiro é fundamental para a sobrevivência dos brasileiros”, disse.

Molon destaca ainda que o PSB vai incentivar o uso da hashtag #600propovonãoprosbancos pela sociedade nas redes sociais como forma de pressionar o governo.

Segundo Bolsonaro, o valor de R$ 600 “é muito para quem paga”. A redução deve ser oficializada por Medida Provisória.

O deputado federal João Campos (PSB-PE), autor do Projeto de Lei 3503/2020, que estende o pagamento do auxílio até o fim do período de calamidade pública e em seu valor integral, também posicionou-se contra a decisão do governo.

“O governo federal quer derrubar o auxílio emergencial de R$ 600 que nós, deputados e senadores, conseguimos aprovar contra o desejo do ministro (da Economia) Paulo Guedes. Vale lembrar: desde o início das discussões, o Ministério da Economia defendia um auxílio de apenas R$ 200. Sou contra a redução do auxílio emergencial enquanto durar a calamidade”, afirmou.

O parlamentar Danilo Cabral (PSB-PE) também disse que vai atuar na Câmara contra a diminuição do benefício. “O governo federal tomou uma decisão na contramão daquilo que deveria ser o caminho para a proteção social das pessoas”, criticou e ainda defendeu a discussão de uma renda básica permanente para as famílias vulneráveis.

Além de diminuir o valor, o governo ainda pensa em endurecer as regras de acesso ao auxílio, sobretudo aquelas que beneficiam mulheres com filhos dependentes.

Segundo especialistas, ainda que o auxílio emergencial não tenha sido suficiente para reverter a queda de 9,7% do PIB no segundo trimestre deste ano, ele foi o principal responsável por garantir uma renda a 60 milhões de pequenos empresários, liberais e profissionais informais, além de desempregados. A queda poderia chegar a 18,2% no período sem o benefício.

Um estudo recente, desenvolvido pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mostra que o impacto econômico do auxílio beneficiou especialmente estados do Norte e Nordeste, regiões menos desenvolvidas e que concentram uma população mais carente.

No Nordeste, onde Bolsonaro teve os menores índices de votação em 2018, o impacto é, em média, de 6,5% do PIB de 2019, mais que o dobro do peso nacional, de 2,5%.

 

Assessoria de Comunicação/PSB Nacional com informações do G1 e d’O Globo

Compartilhe!
Tags: (psb-ce) #elenão 002 002/2018 0800 1 10 10 de dezembro 100 100 anos arraes 100 dias 101 anos 11 11ª 12.305/2010 12º 13 13 de maio 14º 14º congresso 15 15 de março 18 18 anos 19 1964 1988 1º de maio 2.824/2020 2% 20 de novembro 20% 200 2013 2014 2016 2017 2018 2019 2020 2030 2050 21 215 22 23 24 24 h 25 27 287 3 3 bi 3 bilhões 30 anos 30% 300 39% 40 41 mil 42 45 5 5 milhões 5.543 50 500 51 5359/19 55 55 anos 55/2016 5543 56ª 57º 59% 6 60% 600 62 7 7 mil 70 70 anos 700 72 72 anos 73 73 anos 8 de março 8% 80 anos 81% 84% 87 88 8m 90 90 anos 9001 910 927 98% à a favor à frente a história do psb nos estados brasileiros a importância da água para a vida abaixo abandono abastecimento abastecimento de água abertura abin abolição abona abono aborto abraham Abraham Weintraub abre abreu abrigo abrigo noturno abrigos abril abuso ação ação direta de inconstitucionalidade ação judicial ação popular acata acelera acervo acervo digital acesso aché acidente acidentes acilino acilino ribeiro acima aciona acionam acnur ações acolher acolhimento acompanhamento acompanhar acordo acordo de paris acordos de leniência acre açúcar acursatório adaptadas adaptados adere aderem adesão ADI adi 5543 adi 6371 adi 6379 adia adiada adiamento adilton sachetti adin adin 5543 administração administrativa administrativo adoção adolescente adolescentes adota adotam adpf adriano adriano sandri adutora adverte advogada advogado advogados afastamento afeta afirmam afogados afro afrodescendentes agência agência brasil agência nacional de saúde agências agenda agenda 2030 agenda 40 agenda 40 eduardo campos agentes agilizar aglomerações agoniza agora agostinho agosto agosto dourado agrava agressão agressor agreste agrícola agricultor agricultor familiar agricultores agricultores familiares agricultura agricultura familiar agronegócio agrotóxicos água