10/03/2017
Siqueira defende a importância do sistema de Seguridade Social. Foto: Humberto Pradera

Siqueira defende a importância do sistema de Seguridade Social. Foto: Humberto Pradera

O PSB discutiu a reforma da Previdência Social proposta pelo governo Michel Temer, nesta quinta-feira (9), em reunião promovida pela Fundação João Mangabeira (FJM), em Brasília. Também foi apresentada uma proposta alternativa à do governo que será defendida pelos socialistas no Congresso.

O evento reuniu o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, o presidente da FJM, Renato Casagrande, os líderes da bancadas socialistas na Câmara e no Senado, deputada Teresa Cristina (MS) e senador Fernando Bezerra Coelho (PE), além de representantes de movimentos sociais ligados ao partido.

Durante o encontro, Siqueira defendeu a importância do sistema de Seguridade Social. “A grande conquista destes 30 anos de democracia foi a criação da Seguridade Social, que reúne a Saúde, a Previdência e a Assistência. Não podemos abrir mão dessa grande política criada pela Constituição de 1988, que promoveu justiça social depois de séculos de exclusão”, afirmou.

Ele disse que o debate precisa ser aprofundado e que a reforma não pode ser feita de “afogadilho”. “O PSB é a favor da reforma, mas uma reforma que continue a preservar aquilo que é a sua essência: a solidariedade, a inclusão e a distribuição de renda entre aqueles que de fato precisam”, sustentou.

Siqueira enfatizou a questão da justiça social: “Nós não podemos tirar direitos daqueles que têm menos direitos e que, pela primeira vez, tiveram algum direito no país”, declarou.

Em sua exposição, o cientista político César Benjamin afirmou que a proposta do governo exclui boa parte da população do acesso ao benefício que hoje alcança cerca de 60 milhões de pessoas. Apenas a seguridade, informou, transfere a esse contingente 14% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto o Bolsa-Família representa 0,2%. “O que caracteriza essa reforma é que ela é muito mais radical do que as anteriores”, definiu, prevendo que grande parte dos trabalhadores não conseguirá cumprir em vida as regras propostas.

Ele explicou que o problema não está no Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que beneficia a maioria dos segurados. Segundo ele, as distorções foram eliminadas em reformas realizadas a partir de 1992. Além disso, os atendidos por esse regime são justamente os mais pobres, que não se aposentam por tempo de contribuição, por não conseguirem manter uma vida laboral ativa por longo período de tempo. “A população pobre se aposenta por idade ou por invalidez. E essa aposentadoria hoje está em torno de 60 anos, o que ao meu ver é adequada, porque a expectativa de vida em muitas regiões brasileiras não é muito acima disso. No Nordeste é de 64 anos”, afirmou.

É o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), segundo o especialista, que concentra as distorções que oneram o sistema. Ele disse que o fundo que administra as aposentadorias dos funcionários públicos é “deficitário e concentrador de renda”. “Todo o déficit dele é coberto pelo Tesouro, ou seja, a sociedade sustenta o déficit do regime próprio, cuja renda média de benefícios é muito superior a renda média do brasileiro”, destacou.

Benjamin: proposta do governo exclui boa parte da população do acesso ao benefício previdenciário. Foto: Humberto Pradera

Benjamin: proposta do governo exclui boa parte da população do acesso ao benefício previdenciário. Foto: Humberto Pradera

Na reunião, o especialista apresentou uma proposta alternativa que deve ser levada pelo PSB ao Congresso. Ela combina os sistemas de repartição e de capitalização. Segundo ele, o sistema híbrido manteria o caráter distributivo da Seguridade, garantiria a sustentabilidade do sistema no longo prazo e apoiaria o ajuste fiscal no contexto da necessidade de retomada do crescimento econômico.

A mesma preocupação foi manifestada pelo presidente da FJM e secretário-geral do PSB, Renato Casagrande. “Os governos vêm fazendo políticas de cortes e mais cortes, sem levar em consideração que a Previdência faz parte da Seguridade Social. Cabe ao Partido Socialista subsidiar nossos parlamentares e nossos líderes para que possamos fazer uma avaliação mais estratégica da proposta. O texto do governo fragiliza a Seguridade Social”, destacou o presidente da FJM, Renato Casagrande.

Na proposta de Cesar Benjamin, a contribuição previdenciária seria dividida em duas partes: uma delas, majoritária, permaneceria no atual regime de repartição e a outra parte seria transferida para um fundo público e compulsório de capitalização, com contas individuais.

Para garantir a segurança de longo prazo aos associados, o fundo de capitalização aplicaria seus recursos, necessariamente, em títulos do Tesouro, que não precisaria mais negociar apenas com bancos privados. Isso levaria a redução da taxa de juros e ao alongamento da dívida pública.

O RPPS, onde se concentra a maior parte de casos de abusos e os regimes especiais, seriam extintos gradualmente, e os funcionários  públicos seriam incorporados ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), propõe o especialista.

Ao mesmo tempo, para alavancar as receitas previdenciárias, ele defende que o governo revise a política de desonerações fiscais e abra mão da Desvinculação das Receitas da União (DRU), que subtrai atualmente 30% das receitas da Seguridade em favor do Tesouro. Segundo o estudioso, essa operação é inconstitucional. “O artigo 167 da Constituição veda explicitamente a utilização dos recursos provenientes das contribuições sociais para a realização de despesas distintas do pagamento de benefícios do regime geral de previdência social”, citou. Pela proposta, a perda do Tesouro com o fim da DRU seria compensada pela redução das taxas de juros e o alongamento da dívida.

Cesar Benjamin ainda criticou duramente as desonerações concedidas a diversos setores econômicos. “Nos últimos anos, houve um festival bêbado de desonerações, são centenas de bilhões de reais desonerados a troco de nada. Apesar disso, a taxa de investimento da economia brasileira continua medíocre, as empresas não investem”, disse.

 

SUPERÁVIT – O especialista afirmou que há uma confusão nos cálculos do financiamento da previdência social que, segundo ele, é superavitária.

A Lei de Responsabilidade Fiscal, disse ele, retirou do fundo previdenciário grande parte das fontes de financiamento da Seguridade determinadas pela Constituição, como Cofins e CSLL, e considerou somente as contribuições de empregados e empresas.  Assim, as receitas que originalmente eram para financiar o sistema retornam para o Tesouro na forma de transferências, afirmou.

“Ao excluir esse leque de fontes e concentrar somente a contribuição patronal e de empregados, restringiu-se o cálculo e desrespeitou-se a letra e o espírito da Constituição. Os números que os conservadores usam e a imprensa divulga se baseiam somente nesse fundo, e esse fundo é deficitário”, disse

Outro problema é a junção das receitas e despesas do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), o que gera sobre a Previdência Social encargos que não são seus.

“O governo separa a Previdência e junta regime geral e regime próprio. O Tesouro cobre esse déficit e a imprensa grita que a crise fiscal é por causa desse déficit. Mas quando você olha esse conjunto você vê que não é o orçamento fiscal que segura a Seguridade, é a Seguridade que sustenta o orçamento fiscal que é utilizado, por exemplo, para pagar a dívida pública”, declarou.

 

Assesoria de Comunicação/PSB Nacional

Tags: 100 anos arraes 20% 2016 2030 287 55/2016 90 anos a história do psb nos estados brasileiros acervo digital acidente acordo ADI adilton sachetti adin adpf afro agenda 2030 agenda 40 agenda 40 eduardo campos agricultura agricultura familiar aidan albuquerque alencar alto amastha amazônia américa latina anabel lorenzi análise antônio campos antônio houaiss anuário aposentadoria aquecimento global armadas arraes arthur maia artigo assassinatos atila atila jacomussi ato político e cultural azevedo baixa renda balanço banco central bate-papo belo horizonte bessa beto beto albuquerque bezerra bicentenário da revolução pernambucana biocombustíveis brasileira brasília café com política câmara câmara dos deputados campinas campos candidato capiberibe cardoso carlos carlos amastha carlos siqueira cassação castro cem anos miguel arraes centenário centenário miguel arraes chapecó chapecoense cidade civilizatório clima econômico coelho colômbia comissão comissão executiva nacional comissões compaz complexo habitacional comunicação comunicação com filiados congresso conjuntura política conquistas sociais consciência conselho conselhos tutelares constituição consulta consultor consumo conta contagem contas públicas coordenadores cop22 copom coutinho CPI do Assassinato de Jovens crianças crimes crise econômica cuba cultura curso curso preparatório custo danilo cabral davos debate decoro deputada deputado deputado federal george hilton deputado;danilo;cabral;ensino;médio;pernambuco deputados desenvolvimento desenvolvimento rural desenvolvimento sustentável dia dia internacional da mulher dia nacional da consciência negra diap direitos da mulher diretório nacional diretórios estaduais doação de sangue doenças raras donizette Economia eduardo eduardo campos educação eleições eleições 2016 eleições 2018 eleições municipais elétrica emenda empoderamento feminino empreendedora empreendedorismo Emprego endeavor energia ensino ensino médio escalpelamento escolas espírito santo esporte esquerda estado da paraíba estadual estrangeiros ética ex-presidente executiva nacional exposição exposição fotográfica fábio falecimento familiar farc fdne federal felipe peixoto feminicídio fernando fernando bezerra fernando bezerra coelho fernando coelho filho ferreira fidel fies filho filiação filiados fjm fnp força sindical da bahia forças frente fundação fundação joão mangabeira fundamentos políticos fundo fundo de desenvolvimento do nordeste fundo de financiamento estudantil futebol futebol feminino garcia gás gastos gdf george hilton geraldo geraldo julio gestão de dados gestão municipal goiânia governador governo governo da paraíba governo de brasília governo de pernambuco governo distrito federal governos gravataí greve bancária guarujá guarulhos gustavo henric costa guti havana hediondos heitor heitor schuch hidrovias história história psb homenagem homicídios hospital da mulher do recife hugo leal humano ideb idh idhm imigrantes impeachment imprescritíveis improbidade improbidade administrativa índice instituto miguel arraes integral israel jacomussi janete janete capiberibe joão joão capiberibe jonas jonas donizette josé josé reinaldo josé stédile jovens julio julio delgado juros kalunga kalungas keiko keiko ota laerte legislativo lei da transparência LGBT líder líder psb senado liderança liderança do psb na câmara liderança psb lídice da mata livro heróis da pátria londres luana costa lucia Lúcia Vânia luciano luciano azevedo luciano ducci luz mangabeira mapeamento territorial márcio frança marcio lacerda maria da penha maria helena marinaldo rosendo mário soares materno-infantil mauá mauro nazif médio medula meio ambiente memória memória socialista michel temer microcefalia miguel arraes miguel coelho minas minas e energia Minas Gerais ministério ministro ministro de minas e energia ministro fernando coelho filho missão mme mobilidade urbana morre morte mota mp 746 mulher mulheres municipais municipal municípios nacional nair goulart natural negra negritude negritude socialista brasileira negros nery nível nobel nobel da paz nota nota de falecimento nota de pesar nota de solidariedade nota oficial novo nsb oab ônibus onu óssea ota pacto pacto federativo palácio do planalto palmares palmas paraíba parlamentar partido socialista brasileiro passe livre estudantil passo passo fundo paulo paulo câmara paz pe3d pec pec 113A//2015 pec 287/16 pedro pelópidas silveira pernamabuco pernambuco pernambuco tridimensional pesar pesquisa petrobras petróleo petrolina PGR pinto pl 6787/16 plataforma Plataforma da Democratização de Gestão Partidária plataforma de democratização da gestão partidária plataforma online pnud Política de Desenvolvimento do Brasil Rural porto de suape portugal posse prazo pré-sal prefeito prefeito de belo horizonte prefeitos prefeitura prefeitura de campinas prefeitura de palmas prefeitura do recife prefeituras prêmio prêmio nobel da paz presidente presidente nacional do psb presidente psb previdência processo professores programa construindo cidades resilientes programa ganhe o mundo programa Mais Esporte projeto nacional proposta prorrogado psb psb no senado públicos quebra quebra de decoro quilombo quilombola rafael ranking ravin recadastramento recadastramento de filiados recadastramento nacional recife reduz reeleição reforma reforma da previdência reforma do ensino médio reforma política reforma trabalhista refugiados região rural relatório anual renato casagrande renovabio repatriação Resolução nº 01/2016 reunião executiva nacional revista politika Revolução Pernambucana revolução pernambucana de 1817 revolucionárias ricardo ricardo coutinho rio de janeiro roberto rocha rodrigo Rodrigo Janot rodrigo martins rodrigo rollemberg rollemberg rubens bomtempo salário santos saúde schuch sede psb pe semiárido senado senador senador fernando bezerra coelho senador joão capiberibe senador valadares senadora senadora lídice da mata senadora lúcia vânia serafim corrêa sessão solene setor energético severino ninho Shimon Peres síndrome de down siqueira sistema penitenciário socialismo socialista suape suman sus sustentabilidade tadeu tadeu alencar teori zavascki terceira tereza cristina tóquio trajetória transexuais transparência transplante transplante de medula óssea travestis uerj unicef universidade valadares filho válter válter suman vanderlan vanderlan cardoso vania vereadores vestibular viaduto viaduto do geisel viaduto eduardo campos vice-governador de são paulo violência contra mulher violência lgbt zumbi
Compartilhar:
Copyright © 2017